Loading

Notícia

Manejo ‘Nada nas Mãos’ na Genética Aditiva

A prática visa melhorar a performance do rebanho utilizando algumas técnicas de manejo e condução, como a comunicação “olho a olho”, a fala e outros recursos de linguagem corporal, métodos que podem substituir o manejo convencional que causam estresse para os animais e acabam prejudicando seu desempenho e sua saúde.

O objetivo do manejo “Nada nas Mãos” é beneficiar, não somente o animal, mas também tornar o trabalho da equipe mais agradável, proporcionando uma relação tranquila entre manejador e o rebanho.

A capacitação foi ministrada por Adriane Lermen Zart, veterinária formada pela UFMS – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, consultora da Personal PEC, propagadora da técnica criada pelo médico veterinário Paulo Loureiro. “Começamos com parte teórica onde foram apresentados os princípios e conceitos da técnica e a importância do bem-estar animal dentro do sistema produtivo. Na sequência fomos para o curral trabalhar com o gado. Começamos com a categoria de novilhas, vacas e bezerros”, disse.

Para o colaborador Luciano Jacques Teixeira, o curso foi muito interessante. “Aprender novas técnicas para melhorar o manejo e a lida com o gado, tanto no mangueiro como no campo, foi uma experiência muito boa e proveitosa“, disse. Já Caciano Chaves revelou que a capacitação foi excelente e que auxiliará muito no manejo do gado.

“Foi muito bacana ver o comprometimento da equipe, todos trabalharam muito bem e estavam interessados, colaborativos e dispostos a aprender. Eles têm muita habilidade com o gado e neste dois dias aprenderam a entender um pouco mais sobre o comportamento do animal e utilizar melhor a movimentação do corpo para guiar esses animais dentro do curral”, disse Adriane.

O principal impacto da técnica observada nas fazendas é tornar o trabalho com gado mais prazeroso. “Essa interação entre homem e bovino tem que ser boa para os dois lados. E como consequência disso vem a melhoria dos resultados. Um gado que está em equilíbrio onde vive e com quem convive responde com aumento de produtividade, de resultados de prenhez e menores percas durante o sistema. O retorno econômico é consequência desse bem-estar”, pontua Adriane.

Há mais de 30 anos no mercado da pecuária seletiva, a Genética Aditiva, da qual a Fazenda Cabeceira do Prata faz parte, é vanguarda no País na adoção de tecnologias modernas para promover o melhoramento genético,  proporcionar aos criadores maiores ganhos econômicos em menor tempo e também pelo temperamento dócil de seus exemplares.

“A Genética Aditiva é um grupo que se preocupa com essa questão do bem-estar animal, faz uma seleção grande para temperamento, já tem um histórico e quem a conhece já sabe que seus produtos normalmente são animais calmos e tranquilos. O trabalho que fazem em todas as fazendas nessa parte de manejo já é muito bom, então, acredito que a Técnica Manejo Nada nas Mãos vem agregar ainda mais dentro do sistema de produção da empresa”, finaliza Adriane.

 

11/07/2018